quarta-feira, julho 09, 2003

Quando o verão era azul

Nada mais e tudo importava
E no mar toda a alegria flutuava
Voava no etéreo pôr do sol
E a areia quente do fim do dia
Salpicada e leve
Nas mãos e no rosto
A pele morena e as gaivotas
Dos pescadores, que não paravam
Cavalgando ondas e noites
Brincando e pulando
Na espuma dos nossos dias
De mãos dadas olhando a manhã
Por nada esperando
E tudo querendo
Por ti desejando
A maresia e a calma
As marés e a lua
Iluminando e esquecendo
O medo do escuro, nas dunas
Quando o verão era azul
Os dias não mais terminavam
E para sempre duravam
Por nós vivendo
Por nós cantando
Por nós sonhando
Teresa