quarta-feira, setembro 05, 2007



Estrada (à procura do fim)

O Outono nos teus lábios esmorece,
Deixa um rasto de cada momento
Em todas as estradas que prometemos abandonar,
Fugidos da luz enegrecida do fim.

Encontrámo-nos neste lugar ínfimo,
Morrendo no mesmo instante
Profundo,
Em furtiva descida à escuridão dos medos,
Quando os olhos se fecham,
Sabendo que por pouco tempo.

Caímos entristecidos.


“(…) a tua morte tem avançado para dentro de mim como uma doença a querer progredir.(…)“
José Luís Peixoto in Nenhum Olhar.