quarta-feira, julho 07, 2004


A noite que foge encontra abrigo em ti

A noite que foge em silêncio encontra abrigo em ti
Aninhada nas ténues esperanças de regressar
Ao mundo das vozes e mentiras que teimo em não ignorar
Neste dia que nunca acabou
Mesmo quando tudo havia terminado ao arrepio do acordado
O sabor da laranja amarga que trazes nos lábios
Recorda a acidez que havíamos esquecido
De cada vez que falávamos
De nós
No calor das intermináveis noites de Verão
Que já não era o mesmo
Porque mais intenso
Sem risos de água corrente
Esquecida a limpidez dos sentimentos
A sinceridade das palavras fulgurantes inventadas
Preenchendo silêncios e venenos sem antídoto
Nesta separação que inventámos e desejámos
Apagando os dias transformados em noites
Adivinhando as tuas horas e as minhas
Debruçados na varanda dos dois lados da rua
Olhando um para o outro.