quarta-feira, julho 07, 2004


Último dia do mediterrâneo

Só à primeira vista estranha,
A lucidez demente de um elogio funebre,
Ecoando na nudez do espaço vazio
Do meu corpo desamparado,
Onde tudo o resto é silêncio

A dor arpoada no peito,
Um Dó menor do mundo que acaba,
Esperando um pôr do sol eterno que incendeie por dentro.

É um acto de fé aceitar a morte,
Como que uma redenção preversa à crueldade:
De desaparecer num dia como este, sem brilho, sem luz,
Sem nada para fazer, admirando a tristeza do verão,
As águas estivais descendo pela janela,
Acordando o inverno.

Adormecer,
Sem a ansiedade de ser poeta.