quarta-feira, fevereiro 25, 2004

Esquecendo-se...

No rio,
A madeira apodrecia ao sabor das vagas
sem queixumes ou alaridos de nota,
presa às margens por cordas que já não estavam.
O barco jazia sozinho,
descobrindo-se ao ritmo das marés,
esquecido, esquecendo-se.

Chovia e o frio era o mesmo,
o arrepio de Janeiro que não cessava,
fustigando a varanda, batendo furiosamente na janela,
os algerozes lançando esguichos de água e folhas,
inconsoláveis precipitando-se no passeio.


Em mim,
no desespero,
perdi os sentidos gritando,
por não ter movimento nem autonomia,
por ser em mim a minha prisão,
o meu carcereiro escondendo a luz,
fechando as portas.
Os passos na escada,
distantes, cada vez mais,
aliviados e temerosamente mudos.

Calaram-se as vozes, receando
a tempestade próxima que se avizinhava,
o céu, escuro e ruidoso, ameaçando cair sobre nós,
sobre os que desprezam quem é livre,
sobre os que não sendo, desprezam poder ser.

Não se ouviram mais palavras.

Na avenida sobre o mar,
os prédios ofuscando a manhã,
escondendo-se nos vidros, o reflexo.
pintando o rio perdido nas esquinas,
ondulando nas paredes em pedra,
dizendo-me para seguir,
para continuar a caminhar.

Ao longe o barco definha nas águas turvas do tempo,
como eu,
escondido atrás dos reflexos, intransigente,
esquecendo-me que ainda o vejo.