segunda-feira, dezembro 22, 2003

Saudade

Suspensos por sílabas e palavras, apenas,
Subimos ao mastro, almas vigilantes
Temendo não ver, chorando, jurando, segredando não ter medo
Da madrugada uivando nas cordas
E o marulhar soturno na amurada,
Murmurando promessas salgadas,
Juras de bem querer eterno,
A conversão e a redenção
Ante o céu e o mar que nele se prolonga.

O universo é um ruído a converter-se em harmonia,
um corpo a mostrar a alma. (Teixeira de Pascoaes, Aforismos)