quinta-feira, junho 02, 2005


Evadido

Desejo amotinado que se evade
Sem ruído, anónimo
Soprando a caliça presa nas unhas,
O amor suspenso na fúria cravada na tua muralha intransponível,
Em sangue expulso de feridas abertas sempre que é possível,
E que tu queiras
E que tu abras,
A malícia de saber que me prendes
Para que eu me solte
Vezes sem conta, as que te faço minha, por não seres
Nem tua.

Vento invernoso fustigante
Perdendo-se na demência de nada saber
Soçobrando,
Esvaindo-se no mar.

*

“Amei-te como um demente imanente
Num pedaço de lua,
Com uma flor de pudor lasciva
Cravada no meu sonho;
Fantasiei vidas sobre nós,
Cantei prantos de logro sem voz.”


Pedro Peralta in “Os Amantes Convexos”