quarta-feira, agosto 04, 2004


O Canto da água (eterno)

(a Carlos Paredes)


O abandono é difícil
como um convite ao amor e à poesia
numa súbita tarde de verão.

Sobre o fundo dançam as palavras
de pessoas que não se encontram mais
num desejo de que nada acabe nunca
experimentando memórias e a perversidade dos limites.

Uma espécie de queixume que se calou
num jardim perto de casa
num cantar lancinante de palavras difíceis
indecifrável e difícil
como a pureza da tempestade.

A aparente leveza de viver
desde sempre empoleirado na eternidade
vivendo na claridade da água
e da música que ela faz