terça-feira, janeiro 27, 2004

fim de festa


Em atmosfera de fim de festa
Suspiros voam já saturados,
Mergulhando em águas menos límpidas,
Expulsando a manhã na varanda do lux.
Assobia-se para o lado, a sensualidade,
Observando dissonâncias de pureza e
Vestidos translúcidos brilhantes,
Soprando, sentindo,
A temperatura porno chique exalada de dentro,
Em gestos operáticos propensos ao horror,
Sem depurações nocivas ao ambiente irreal
De ligeira demência pecadora e carnal,
Instigada, embalada,
Amargo limão que se estranha e entranha,
Como a música.