quarta-feira, janeiro 21, 2004

Ciúme conduz ao homicídio...
...por interposta pessoa.

O piano ficou por aí
Procurando sobreviver sozinho na aridez da minha sala,
Num imenso silêncio entre a música,
Choro de abandono e desamor,
De volúpia predestinada a um frenesim sufocante
E descobertas revolucionárias.
Mas sobre nós desceu uma certa tristeza,
E todos os dias ao telefone
Um apetite voraz pelas outras coisas lá fora,
Um calvário a caminho da purificação,
Mea culpa pelos equívocos que esqueci
E o apetite voraz por tudo,
Que se perdeu na calma sulforosa da minha prisão.
E pela tua mão, a minha,
Já esquecida do toque da música,
Engelhada pela clausura e sedenta de vida,
Levou à minha boca muda
Todas as substâncias proibidas que não sabia pronunciar.

Abriu-se a janela...