segunda-feira, janeiro 15, 2007


Queimei o dia de ontem

Queimei o dia de ontem
Porque tudo se passa com atraso
E apenas guardo o que já nao há,
Nos sítios que perdi,
Tantos passos atrás.

Lancei fogo às tuas notas,
Riscos e livros rasgados pelo meio,
E ainda não eram duas da tarde,
Mas os dias não se fazem de esperas inúteis,
E nem tudo gira à nossa volta,
Acontecem sozinhas sempre que as empurramos,
Nos sopros de fumo, subindo até ao tecto dos nossos humores.

Ontem não sabia o que dizer,
Hoje não disse nada.

Ardemos no fundo de um caixote.